Final de semana: Quebrando a rotina doméstica

Nossos finais de semana estão sendo cansativos por estarmos sem faxineira, e até encontrarmos uma pessoa que possa nos ajudar a organizar as coisas vamos fazendo o trabalho doméstico juntos. A divisão não é totalmente igual, mas procuro ajudar onde minhas habilidades são maiores como na cozinha, varrendo a casa, limpando a área do cachorro ou lavando a garagem.

Como tudo na vida é fundamental olharmos sempre o lado cheio do copo, desde que ficamos sem a faxineira a praticamente um mês, temos feito menos bagunça, mantendo as coisas em seus lugares e lavando sempre o que a gente suja, com raras exceções. Para ajudar a sujar menos, a Ellen esta de dieta e acabei entrando na onda, ou seja, o jantar ficou mais simples de preparar pois é basicamente salada ou um lanche rápido, diminuindo o volume de vasilhas sujas (me dei bem nessa já que minha parte é manter a cozinha organizada e limpa). Quem esta mesmo precisando aprender a manter tudo limpo é o PAulo TEodoro TAvares. Conversei com ele no caminho do petshop sábado e disse que era importante ele colaborar neste momento, e como sugestão ele poderia conversar com os amigos dele do pet para indicar um curso de como evitar soltar pelos pela casa, não babar no tapete, sofá e chão da sala, limpar as patas antes de entrar em casa sempre que desejar pegar um ar no quintal e por aí vai. Sugiro ele fazer o que pedi senão o bicho vai pegar para o lado dele logo logo.

Tenho que agradecer minha esposinha pelo esforço, empenho e dedicação para cuidar do nosso cantinho, por isso tento colaborar o máximo possível, afinal de contas, final de semana a gente quer relaxar, pegar um cinema, visitar os amigos ou mesmo dar uma volta na pracinha somente para espairecer e recarregar as baterias.

No sábado recarregamos as baterias em uma visita aos nossos padrinhos Alex e Deza, que haviam nos convidado juntamente com outro casal de amigos, que também são nossos padrinhos, Nilson e Bárbara. Estes encontros são sempre divertidos, matamos a saudade de estar juntos e relaxamos, literalmente. Depois de um longo bate-papo para colocar as novidades e histórias em dia Deza perguntou se não gostaríamos de jogar um jogo de tabuleiro, na ocasião seria o CLUE (semelhante ao Detetive). Eu curto demais jogos de tabuleiro, preferência por War ou Imagem e Ação, mas Ellen curte bastante este jogo e todos animaram, então, fomos brincar. A única que não animou foi a Baby, que preferiu deitar na rede e tirar um cochilo.

Jogamos quatro partidas de CLUE e logo na primeira comi mosca (deveria ter mostrado uma carta ao Alex, mas não percebi que estava comigo), então, quando ele foi conferir se havia ganho, o resultado não bateu (assassino, arma e local do crime), aí percebi a cagada que havia feito e que havia atrapalhado ele vender (acabei ganhando…risos…conta para ele não, mas foi golpe). Depois deste primeiro desastre, prestei mais atenção no jogo e sempre conferia minhas cartas umas 3 vezes antes de passar a jogada.

A segunda eu ganhei, sem contestações e sem vacilos. Alex ganhou a terceira e voltei a ganhar Na última partida. Meus instintos de detetive estavam aguçados…risos…deve ser porque fico seguindo os passos do PATETA para evitar que ele faça uma bagunça em casa. (a rotina doméstica esta me ajudando em outros instintos).

Dindos, foi bom demais encontrar com vocês no final de semana, desculpem o coro no CLUE, voltei para casa me sentindo melhor e vingado depois da lavada que a Deza me deu jogando WAR lá em casa tirando um seis atrás do outro nos dados. (brincadeira, precisamos mesmo e marcar de jogar mais vezes, é muito bom).

Domingo, aproveitamos para acordar tarde, curtir um pouco de preguiça e esperar chegar a segunda-feira.

Similar Posts:

Leave a Comment

Timpo limite excedido. Por favor, refresque o valor do CAPTCHA.