Tirei uma carteira de trabalho para casar

Galera, sexta-feira foi demais, vou tentar começar do começo.

Todos sabemos que casamento não se resume a ir a igreja e casar, antes é preciso marcar o casamento civil. Havíamos ligado anteriormente em um cartório de Contagem que nos informou em qual cartório deveriamos ir, com quantos dias de antecedência deveriamos agendar o casamento civil e quais documentos seriam necessários, então tinhamos os seguintes dados em mãos:

  • Cartório – teria que casar no cartório que fica ao lado da igreja matriz de Contagem.
  • Entrada dos papéis – 45 dias antes da data desejada e teríamos que ir pessoalmente marcar.
  • Documentos necessários – certidão de nascimento (emitida até 6 meses antes), identidade, CPF, comprovante de endereço e certidão de disquite.
  • Testemunhas – precisavamos levar duas testemunhas.

Separamos todos os documentos e combinamos com as 2 testemunhas (Andreza e Claudine) o melhor dia para elas, que foi na sexta-feira da semana passada na parte da tarde.

Na sexta-feira, pegamos todos os documentos e combinamos tudo com nossas testemunhas. Chegando no cartório veio a surpresa, os meus documentos estavam errados. O nome da minha mãe não coincidia na certidão de nascimento e na minha CNH (no primeiro Marisa e no segundo Mariza). Como assim, perguntei a recepcionista do cartório, não posso marcar a data do casamento simplesmente porque alguém no DETRAN digitou o nome da minha mãe errado no computador? Ela confirmou que não. (Pensei comigo, a casa caiu, o que fazer? Esse negócio de casar é complexo mesmo, a menina deve estar querendo dificultar para desistirmos, só pode. Se o sujeito tiver em dúvida desiste mesmo, é muita burocracia).

Depois de bater um papo com a tabeliã (minha madrinha Andreza a conhecia) ela informou que poderia adiantar o processo com uma condição. Eu teria que levar ao cartório até o final do dia um documento onde o nome da minha mãe estava escrito conforme a certidão de nascimento, visto que eu estava afirmando que era o nome correto. Ela me deu a opção de levar a carteira de trabalho. Pensei comigo, tirei ela em 1993, deve estar correto. Sai disparado para ir em casa buscar a carteira e para minha surpresa quando abri a mesma o nome da minha mãe estava errado, ou seja, escrito com “Z” também.

Minha única opção era conseguir ratificar a carteira de trabalho até o final do dia. Voltei à jato para o cartório a fim de encontrar com a Ellen e a Claudine para irmos a Justiça do Trabalho de Contagem resolver este mal entendido. Chegando lá outra surpresa, o atendente não podia ratifcar a carteria de trabalho, teria que fazer uma nova e dentre os documentos necessários era preciso uma foto 3×4. Séria fácil se eu não tivesse pouco mais de 1 hora para voltar em casa e buscar uma foto 3×4. Eu tinha uma na carteira mas com a correria havia esquecido-a em casa, em cima da mesa da copa.

Por sorte, tinha uma papelaria próximo a Justiça do Trabalho que tirava foto 3×4 e minha dindinha estava com dinheiro na carteira (Ellen estava apenas com cartão de débito e na papelaria não aceitava). Consegui tirar a foto e voltar a tempo para emitir minha nova carteira de trabalho. Levei o xerox da carteira nova no cartório e agendamos a data do casamento civil para o dia 16/06/2010.

Depois da correria do dia, graças a Deus tudo deu certo e resolvemos mais esta tarefa do check list. O mais doido nisso tudo é que trabalho no regime PJ, ou seja, tirei a carteira de trabalho apenas para casar. (Quero receber salário agora e todos os direitos de um profissional fichado – A Ellen vai ter que assiná-la com a profissão de marido – risos).

 

Similar Posts:

COMMENTS

  • Aguinaldo

    ótimo testemunho ,mais o que me chamou a atençao é que minha sobrinha esta com casamento marcado e perdeu o rg aqui vi a opçao de casar com a carteira de trabalho ou seja não vai ser preciso o rg certo?

  • É verdade…tenho que confessar que tinha que ser mesmo. Achei a carteira de trabalho em casa no lugar mais improvável do mundo…quando voltei ao cartório havia esquecido a carteira…estava muito desorientado com toda está pressão…mas graças a Deus no final tudo correu bem.

  • Andreza

    Essa eu tenho que comentar…. kkkk
    Os pormenores em que o escritor desse blog não confessa…

    Seguinte mesmo com as dificuldades eu posso declarar com convicção que esse casamento é mesmo da vontade de Deus.

    Combinei com a Ellen as 13:30 no cartório.
    Saí do meu escritório as 12:00h.
    Pensei, eu passo no banco para pagar uma conta, gasto no máximo 30 minutos chego no centro de Contagem no máximo 13:00, almoço na casa dos meus pais e chego no cartório na hora.

    Porém, ao chegar no banco a fila era enorme e após 40 minutos, ainda tinham 30 pessoas na frente.
    Desisti, na saída comentei com o segurança e apareceu um rapaz que não conheço, mas que possui conta no tal banco e se prontificou a pagar as minhas contas no caixa eletrônico.(primeiro índício).

    Na casa dos meus pais, eu almocei, e quando eu entrei no carro para ir ao cartório a Ellen me ligou falando que ia demorar.

    Voltei para dentro e “do nada” a minha mãe pediu insistindo, para ir comigo (como ela tinha médico marcado eu não queria leva-la com medo de atrasar de leva-la ao médico após).(Foi mais um indicio)

    Chegamos no cartório e naquele exato momento a juiza e a escrivã chegou.

    E digamos por coincidência Ellen e Junior chegou naquele mesmo instante.(outro indício?)

    A juíza é amiga da minha mãe e eu a conhecia, mas a escrivã eu não conhecia, só a minha mãe.

    Logo após o incidente e a resolução junto a escrivã que só minha mãe conhecia, a juíza e a escrivã foram embora (ou seja permaneceram no cartório somente nos exatos 5 minutos necessários).

    Na verdade cheguei a uma única conclusão, mesmo com os obstaculos, Deus está na frente dessa união, pois creio que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam e temem a Deus”.

Leave a Comment

Timpo limite excedido. Por favor, refresque o valor do CAPTCHA.